sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Ruas

Caminhando em uma noite destas pelas ruas da minha cidade, envolvido pelo vento frio da madrugada, banhado pelas luzes artificiais e tendo como companheiro o vento úmido que me trazia perfumes do norte, lembranças, vultos, sombras ao meu redor, o silêncio profundo do meu pensamento que buscava a musicalidade perdida através dos tempos...
Nostalgia, saudade profunda de tempos em que meu pensamento se perdia seduzido pelas novidades, em que minha razão navegava em águas superficiais, isto nos anos 70, falo do Bom Fim, ilusão mágica de um mundo em transformação, em que tudo parecia permitido, embalados pela onda revolucionaria dos anos 60 e estagnados na repressão onde tudo era proibido, sentava em uma mesa de bar e falávamos de conspiração, entre fumaça de cigarros e assemelhados conspirávamos e nos sentíamos contra revolucionários, passaram os anos, e os paradigmas, mas as ruas desertas na madrugada ainda são companheiras, mas agora elas estão menos sedutoras , talvez seja a minha visão de mundo que se alterou , talvez para outras pessoas elas sejam tão mágicas quando para mim algum dia foi. Estranho é este esquecer, estranho é palavra dita com intensidade de um raio em momentos que o tempo nos elege como únicos , falo agora do amor, da paixão ou seja lá que nome tem os sentimentos que resultam da fusão de olhares, de beijos e respiração... Se deixar levar pelas ondas que rumam para o alto mar, se deixar silenciar pela calmaria dos ventos, encontrarem uma ilha deserta, subir no alto da montanha e se atirar, com as asas da imaginação, aterrissar de novo no teu coração... Volto para as ruas desertas, sabendo que caminhos me levam para todos os lugares e ao mesmo tempo a lugar nenhum.

Um comentário:

Laura Elizabeth Ferrão Leal disse...

Gostei, principalmente da repaginada no teu blog, fiou muito legal!! bjs