segunda-feira, 28 de abril de 2014

FRAGMENTOS DE TINTA SOBRE UMA NOITE

Na minha frente e ao lado existem
 paredes brancas, tintas novas sobre velhas formas...
um gato enrolado sobre um banco...
uma noite silenciosa a descortinar a escuridão.
Não há verdades absolutas , existem fatos relatados  em todos lugares.
Por qual razão havíamos de ser , no momento em que existir é quase não ser.
As verdades são ditas em palavras que negam e infinitamente falam o que deveria ser dito.
Para que dizer sempre a mesma verdade se absoluta fosse.
O rio segue profundamente  sujo e lindo e o sol que se vai ao longe, lança sobre seus olhos a ilusão de uma beleza superficial.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

ACONTECER


Houve um tempo em que o silêncio era a estrada da minha solidão,
Houve um tempo em que às águas refletiam apenas o meu olhar
Existia uma suave música no ar, embalando meus sonhos,
O vento trazia teu perfume.
O relógio ecoava na catedral enquanto morcegos a sobrevoavam,
e a sombra da noite chegava, fria e aconchegante.
Muitas vezes tive vontade de voar , e voava, entre jardins e flores,
entre montanhas e florestas, transportado pelos pensamentos.
Existia em diversos lugares, mas aprisionado em mim, a imagem que eu nunca via
e que um dia se revelou suave e branda.
 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Viver e o tempo

Na música que escutei em minha adolescência pelas ruas desertas e ensolaradas das tardes de verão, no vento que antecipava um temporal e o cheiro de terra e asfalto molhado daqueles dias sem fim. Sim dias que não terminam jamais , se transformam em lembranças eternas , lembranças que eternizam  momentos e cheiros. Já na noite tinha a companhia de pirilampos e estrelas rarefeitas pela luz da cidade, mesmo assim  deslumbrava lugares e silêncios quebrados pelo murmúrio de vozes. Lindas madrugadas envolta em mistérios a decifrar, povoada de lugares a desafiar minha curiosidade.
Hoje ando na mesma tarde e noite, navegando na mesma nau, escutando sons e admirando luzes com a mesma sede de outrora.  

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Mais uma noite

Vai que se materializa o meu sonho, o inesperado venha a me visitar, e o esperado se concretize. Nada de racionalismos concretos nesta hora, apenas acordes soltos no espaço entre ouvidos famintos de sons e noticias entre mãos vagando e partes sensíveis. Nesta hora o silêncio de palavras não ditas mas sentidas, o suor escorrendo na têmpora, morcegos  sedentos pela tua janela, olhares refletidos em nossas fantasias.....Entre goles de água na madrugada e vinhos engarrafados, entre gotas de água pelos canos a molhar nosso suor e os líquidos que escorrem de nossa paixão, nada resta a não ser esperar o dia que inevitavelmente vem, e as horas que nos separam e depois nos unem.

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FELIZ NOVO ANO.

Neste acumúlos de minutos, horas dias, em que sonhos e realidades encontraran-se, nesta profusão de idas e vindas, de encontros e reencontros e caminhos perdidos, achados e excluídos, neste dias  de frio e calor, chuvas e secas, lagrimas e sorrisos, beijos e suspiros. Água ladeira a baixo , sol sem trégua sobre cabeças pensantes , trezentos e sessenta e cinco dias que preencheriam páginas e enciclopédias, turbilhão de acontecimentos e eu. Preencher cada minuto do existir com acontecimentos cotidianos, preencher dias com acontecimentos sem ter que preenche-los, tudo livre ao sabor dos ventos e ao final chegar ao recomeço... Nossa existência é um eterno recomeço, a cada  ano acumulamos experiências e seguimos em frente; Aonde chegaremos?? pelo andar do bonde, existe algo melhor lá na frente, pois a cada passo nos apropriamos mais da vida e da alegria do existir pleno, que nesta  nova experiência de trezentos sessenta e cinco dias possamos amar incondicionalmente e perdoar sempre, aprender infinitamente com erros e acertar ao nos aceitarmos como viajantes do tempo em eterno aprendizado.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

SONHOS

Na suavidade silenciosa  da madrugada, vento frio penetrando nas frestas da porta e das  janelas, o tempo  se manifestando na escuridão da noite , na cama um corpo inerte, libertando um pensamento que tem rumo certo... Pelas ruas noturnas  sigo com mãos vazias e coração preenchido, agora corpos se unem, suor, vozes e olhares, respiração , sonho um tempo que poderá ser, mas volto pragmático ao meu centro. Sonhos são alheatórios acontecimentos sem lógica, e ao mesmo tempo manifestação de um desejo, estou no sol e daqui a pouco na lua, no norte e no sul, longe e perto de ti....

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Noite, chuva e caminhos

Caminhando na rua molhada pela chuva que na madrugada escorre por entre os pneus dos carros estacionados, por entre a lata de lixo virada pelo cão em busca de alimento, uma latinha  no caminho me faz lembrar do tempo que agora é passado, quando guri tudo era bola, então quebro o silêncio da noite , chuto a lata que no ar descreve uma parabola e acorda o cão que virou a lata . Existe  olhares que me seguem pela madrugada escondido em alguma janela, às vezes a me sensurar, a me inveja ou admirar pela capacidade  de andar entre a escuridão a chuva e o silêncio. Madrugada com seu espaço e amplidão , derrepente um vulto em minha direção, nada como a madrugada para dar a devida importância a quem caminha na direção oposta... nada como a escuridão da noite para valorizar as estrelas.

domingo, 5 de agosto de 2012

Amigo chima

Existe  algo de especial no calor  da cuia, a mão firme , os lábios , o aroma no ar, a água sempre quente a imitar o sangue daqueles viventes, que sintonizados em um atavismo perdido no tempo, buscam em um só lugar sedimentar a verdadeira amizade, do toque, da fala incessante e do sorrisso a blilhar refletindo o sol a lua e a estrela que existe em cada olhar.

terça-feira, 3 de abril de 2012

LEVEZA

Existe um certo momento na vida em que nos permitimos a leveza, libertamo-nos das correntes pesadas das horas que cobram a chegada, do estar presente aonde não queremos e fazer o que manda a convenção, esta autonômia esperada, pode ser conquistada em qualquer fase da vida, mas é na maturidade que ela tem um sabor especial, não falo em maturidade como um estado livre de erros ou isento de dúvidas, mas uma ocasião de nossas vidas em que estamos libertos de preconceitos e no camando até a próxima estação.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

CARNAVAL

Foi o tempo em quê a noite entre sons, confetes e serpentinas se deixava fluir no tempo até a luz do sol, Foi o tempo que olhares perdidos entre corpos enfeitados se cruzavam em um circulo repetitivo e enebriante... Foi o tempo em que a paixão brotava, resultado do movimento sensual. O tempo ainda flui inexoravelmente, corpos ainda cruzam o meu horizonte, paixão ainda brota mas agora surgem do nada, Do silêncio, do barulho, da meia luz em um bar, na batida sincopada de um instrumento. Como é bom descobrir a paixão livre, dirigida a tudo e a todos, liberdade de se apaixonar por tudo de bom que está a nossa volta, e se sentir livre, Carnaval é liberdade, e ir e voltar, dar voltas e não se amarrar... Escutar a batida ritimada e se apaixonar.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

NADA ACONTECE

No silêncio da ausência, no caminho do olhar, no fluxo do vento, no suspiro do susto, olhos vázios não doem no peito... sal do mar , areia e sol, nuvem chuva, janela fechada, agora anoiteceu e nada aconteceu. Campo, varzea e pirilampos, fogo e chão, música e som e nada aconteceu, percebo, escuto seu sorriso ainda posso me apaixonar. Mas não pela figura ou a beleza do teu caminhar e nem pelo teu beijo ou geito de me olhar e nem pelo teu cheiro também, mas pelo teu silêncio ,talvez a melhor parte de ti e a que me completa.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Poesia sem sentido

Te juro, pura poesia mergulhada na palavra que brota da solidão requerida, e na música que quebra o silêncio das horas do mate, nos caminhos que tenho percorrido, na insônia que me atropela na madrugada, me leva a um céu estrelado, me encanto nos espaços escuros entre estrelas, vejo neste momento a importância do vázio para dar sentido ao que a gente percebe....
Poesia sem sentido é sentir que somos nomades desta vida e que a razão é uma pretensão encalhada nesta costumeira razão de cada um. Aumentar o fogo com gravetos aquecer a água e continuar... Coisa boa é a liberdade da palavra sussurada ao pé do ouvido na hora em que tudo perde o sentido, em que o tempo é aprisionado entre quatro paredes e o mundo para de existir... O tempo nem se fala, eterno contraponto das horas que insiste em nos arrastar para a realidade a que nos aprisionamos.
Poesia sem sentido é um longo caminhar entre a imaginação e a realidade.

sábado, 31 de dezembro de 2011

2012

Tempo este aliado que consome os dias e os anos da nossa existência, nos fortificamos na história dos relacionamentos, entre o silêncio dos momentos que fogem na correnteza das horas, na meia luz que envolveu nossos corpos em um dado momento ao longo destes 365 dias, somos imortais e ao mesmo tempo morremos, mas o que importa é que amamos, amores passageiros, eternos em quanto durem, o certo é que as marcas daqueles que passam em nossas vidas ficam para sempre, sinalizando o quanto vale a pena viver , Feliz 2012 para todos, e que possamos plantar a felicidade em cada coração, nem que seja a felicidade de uma noite apenas, ou a felicidade eterna.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Lembranças.

Quando mateio solito nas manhãs, quando a cavalo nos meus pensamentos percorro distâncias, quando nas chaminés das casas vejo se desenhar a tua forma, logo o vento desfaz meu pensamento, julgo correto esta desconstrução, algo que insisto perceber em todas as coisas. Encilho novamente meus pensamentos, agora rumo em uma estrada tranquila, de um lado mata, de outro lado rio, na frente um caminho que me leva até as casas e novamente a fumaça das chaminés .....

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Ruas

Caminhando em uma noite destas pelas ruas da minha cidade, envolvido pelo vento frio da madrugada, banhado pelas luzes artificiais e tendo como companheiro o vento úmido que me trazia perfumes do norte, lembranças, vultos, sombras ao meu redor, o silêncio profundo do meu pensamento que buscava a musicalidade perdida através dos tempos...
Nostalgia, saudade profunda de tempos em que meu pensamento se perdia seduzido pelas novidades, em que minha razão navegava em águas superficiais, isto nos anos 70, falo do Bom Fim, ilusão mágica de um mundo em transformação, em que tudo parecia permitido, embalados pela onda revolucionaria dos anos 60 e estagnados na repressão onde tudo era proibido, sentava em uma mesa de bar e falávamos de conspiração, entre fumaça de cigarros e assemelhados conspirávamos e nos sentíamos contra revolucionários, passaram os anos, e os paradigmas, mas as ruas desertas na madrugada ainda são companheiras, mas agora elas estão menos sedutoras , talvez seja a minha visão de mundo que se alterou , talvez para outras pessoas elas sejam tão mágicas quando para mim algum dia foi. Estranho é este esquecer, estranho é palavra dita com intensidade de um raio em momentos que o tempo nos elege como únicos , falo agora do amor, da paixão ou seja lá que nome tem os sentimentos que resultam da fusão de olhares, de beijos e respiração... Se deixar levar pelas ondas que rumam para o alto mar, se deixar silenciar pela calmaria dos ventos, encontrarem uma ilha deserta, subir no alto da montanha e se atirar, com as asas da imaginação, aterrissar de novo no teu coração... Volto para as ruas desertas, sabendo que caminhos me levam para todos os lugares e ao mesmo tempo a lugar nenhum.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Sem você é um silêncio

Nos ventos que sopram além do meu horizonte,
Nos dias que passam fora do meu cotidiano,
Nas horas que o tempo acumula,
Nas ondas que trazem restos do além mar,
naufragos, das relações tempestuosas, sou viajante de
caminhos imprevistos,
Nas brasas aprisionadas cozinhando a nossa impaciência, de línguas que
exprimentam prazeres além da imaginação, salivam prazeres que transbordam além da boca e espalham em nosso corpos o cheiro da volúpia, feito avarento quero cada centimetro do teu suspiro, às vezes quero proximidade , outras a distância me torna feliz, sozinho respiro, contigo suspiros e ares roubados no exercício de corpos ardentes, que se confundem no vulto silêncioso das sombras que a madrugada das horas produz, avançam os minutos a madrugada se extingue, restanos a manhã , o canto do sabiá, uma nesga do sol na fresta da janela, um beijo e um adeus.. e quem sabe até breve.

domingo, 18 de setembro de 2011

SENHOR DOS DESTINOS


O tempo que esculpe montanhas, mudas geografias e apaga lembranças e é o dono do futuro, ele é meu aliado nesta jornada de conhecer e se reconhecer , mil vezes em mil existências, estamos sós e estamos juntos nesta solidão, infinita estrada do tempo.... a duvida é o preço que pagamos por sermos eternos aprendizes, desligo o telefone e parece que o mundo acabou, vago pela estrada deserta e você aparece na próxima curva pedindo para entrar, fala para mim que não sabe o que houve de errado, também já desembarquei em inúmeras estações sem saber o que deixei para trás, para ser sincero sei que temos os mesmos defeitos, flutuo entre sentimentos alheios, bebo sabores inúmeros e volto sempre para a nascente dos teus beijos.

sábado, 3 de setembro de 2011

Tudo é nada quando nada restou.

Alguns livros sobre a mesa,agora perderam a importância, tudo que li e do pouco que aprendi, nada sobrou , a não ser as lembranças e a vontade de te encontrar, nas páginas que não li...Nem que seja só para estar ao teu lado, e encontrar nesta páginas em branco uma mensagem de amor.
Quando chega a noite escuto no ar , melodias que eu já não tenho e que pertencem a outro, não tenho mais nada para te dar, só a vontade de te encontrar.
Olhando as estrela no céu eu perco meus pés do chão , vago entre astros e nuvens e nada me faz parar , a não ser a vontade de te encontrar em qualquer lugar.


quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Conhecer se conhecendo

Nas entre linhas dos olhares e sons , toques e cuidados no falar, estrada longa e desconhecida, este seu ser, de inumeras vivência e também de diversificadas reações, venho de estradas incompletas e cheias de armadilhas, em que setas e sinais apontavam para lugares que nunca existiram, então sei que caminhos levam a algum lugar e ao mesmo tempo a lugar nenhum, deixamos então os ventos sábios que balançam as horas e definem o tempo configurar o que ainda nem sabemos o que será.

domingo, 21 de agosto de 2011

Pragmatismo do desamor

Ao vento as folhas circulam no ar, prenunciando o inverno tenso do nosso desamor,
Na corrente da água da chuva que se esvai no bueiro da rua, jaz lágrimas misturadas,
Esta estrada vázia que agora esta a minha frente, posso vêr que as fórmulas e medidas cartesianas não enquadraram meus sentimentos,
Amo sim, não sei se certo ou errado, apenas sinto e quero deixar correr nas minhas veias, solto, acelerado , redemoinho de emoções,
Quanto sublime é compreender que amar é perder as redeas da razão , procurar a luz onde há escuridão, o som onde há o silêncio, as estrelas onde há apenas teus olhos,
Escutar o silêncio da minha fala para perceber o que eu queria

dizer, era simples demais....

domingo, 31 de julho de 2011

Volátil

Nessas viagens que empreendemos em vivenciar romances, amores, ou seja, lá qual nome dar aos relacionamentos, algumas vezes extrapolamos o limite do superficial... É muito cômodo para algumas pessoas, saborear os encantos limitados das aparências, buscarem nas sensações físicas momentâneas respostas para suas carências. Poucas buscam a essência, busca essa que se configura em um desmascarar de papeis vivenciados, de falsidades proferidas como se fosse verdades, escavar e procurar no vazio das palavras não ditas, oculto nas entrelinhas do silêncio algum significado, talvez seja o caminho mais difícil para se buscar o entendimento nesta imensidão de personagens que adotamos sem nós darmos conta. Muitas vezes é um descortinar de fraquezas, de medo de assumir realidades e compromissos, medo de partilhar sem fronteiras as coisas boas e ruins. Assim aquele que não se contenta em viajar pela superfície dos relacionamentos, tem que arcar com o ônus das tempestades e ventos fortes que o ego alheio invoca para se proteger, e se conseguir chegar ao objetivo é porque realmente valeu à pena. Talvez este seja o medo, que muitas pessoas têm, de serem descobertas por inteiro, é por isso que sentimentos fugazes seduzem e atraem aqueles que não estão preparados para vivenciar transformações no seu jeito de ser e sentir e compartilhar. O amor torna-se palavra comum, repetida mil vezes perde a essência quando não encontra amparo nas atitudes.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

SÓ O TEMPO

Largo a paixão,Nas horas em que me atrevo e abro mão de desejos
botando meus pés no chão, é só eu estar feliz, acende uma ilusão
quando percebe em meu rosto as dores que não me fez,
Ah, meu pobre coração o amor é um segredo e sempre chega em silêncio
como a luz no amanhecer, por isso eu deixo em aberto meu saldo de sentimentos
sabendo que só o tempo,ensina a gente a viver.

Paulinho da Viola

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Construindo Utopias em um regramento errático.


Nós seres humanos, buscamos soluções mágicas para circunstâncias criadas pelas conjunturas existenciais e configurações de relacionamentos, buscamos o máximo ter e o prazer em exercitar a posse, possuir o material e ter acesso ilimitado aos prazeres. Mal percebemos que ao construirmos esta realidade, estamos ao mesmo tempo criando uma tensão. Tensão esta explicitada nas relações sociais, de poder e não poder. Não me autorgo a pretensão de fazer considerações jurídicas, sociais e antropológicas dos resultados das escolhas de uma parcela da sociedade, que anestesiadas e embriagadas pelas luzes da modernidade, fingem não ver o caldeirão que ferve com as carências e esperanças daqueles que pela dinâmica evolutiva não acompanharam as possibilidades de se manterem atualizados e usufluidores dos benefícios materiais do século. Ninguém pode alegar desconhecimento da lei, para justificar os seus atos, isto vale para quem cumpre e para quem descumpre a lei, mesmo que estejam fragilizado pelas circunstâncias. Acho eu que a ciência jurídica dos relacionamentos regula de forma incompetente e prepotente os relacionamentos sociais

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Agentes da Transformação

Penso , logo insisto em querer que todos tenham a mesma dimensão sistêmica no olhar , quando vejo pessoas acomodadas em seu status quo , donas de seu destino encurtado pela segurança do não se arriscar, logo penso... disperdicio de existir e não tentar , vêr e não reescrever . Mudar, transformar, se expor e buscar melhores formas de executar e servir.
Pessoas estão a espera de uma transformação, de uma luz no final do túnel e talvez a nossa atitude pro ativa seja esta luz.. Somos agentes da transformação , não viemos para nos acomodar e sim para revolucionar e mostrar que a mudança acontece nas atitudes e da apropiação das responsabilidades assumidas, não esperem águas plácidas, mas sim mares revoltos.......

terça-feira, 14 de junho de 2011

Lembranças


Sublime é à noite.
Noite das lembranças que inevitavelmente serão esquecidas.
Esquecidas no dilatar das horas.
Horas que se perdem na eternidade do tempo.
Tempo este que me colocou em um lugar onde tu estavas...
Conquistar-te foi tão fácil como te perder,... mas falando de noites silenciosas e vazias e de labirintos onde sentimentos se perdem , gostaria agora de ter o teu olhar, gostaria agora de ter você, e meu olhar perdido em seu olhar, nesta noite que nunca termina, silenciosa e fria, em que só o vento é companheiro a levar lembranças que guardo de ti junto com as horas que passam.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

CINZAS QUE NUNCA CAEM

No fluxo das lagrimas que escorrem do teu rosto e formam um pequeno rio, me vejo a navegar em uma embarcação, sem bussóla, perdido na ilusão do canto das sereias e nas ondas do amor.
Na nascente dos teus olhos existia a perpectiva de chegada, talvez em um lago de águas calmas , ou um mar bravio. Mas ao abrir as comportas do teu coração e ao secar da fonte, desfez-se a viagem de uma ilusão de amor eterno, e o viajante sem destino ficou perdido num espaço em que apenas tua imagem e só tua imagem estava presente... Mas tua imagem não era mar nem era rio, eu descobri que além de você existia inúmeras possibilidades, mesmo assim fiquei a deriva.
Perdido agora em terreno árido busco reencontrar a origens das águas,que agora eu navego, acho eu que são dos teus olhos, na minha ingenuidade, acho que em algum momento fluiram de ti sentimentos de não me perder.
Mas agora não busco a nascente original do meu amor.... Escalo montanhas , não busco rios e mares, e sim ares , espaços vazios onde cinzas ofuscam e vencem a gravidade e eu a imitar a furia dos vulcões, possa exercer a liberdade de amar sem as amarras da pequenez das covenções humanas.

sábado, 4 de junho de 2011

Sábado eu e tu.


Hoje, no frio que envolve a tarde, aproveitando a solidão que ambos desfrutávamos quebrando o silêncio no ronco do mate, caminhaste nos fragmentos das minhas lembranças rumo aos portais do meu coração...
Avistou conforme me relataste inúmeras entradas; cadeados e trancas empoeiradas pelo tempo, e descobriu uma porta entreaberta, esquecida, como se alguém tivesse saído às pressas repentinamente sem olhar para trás... Não hesitou e entrou e lá dentro me encontrou, tão logo me avistou me pegou pela mão e me levou para conhecer a sua solidão, me levou aonde eu queria estar.
Não falou nada, eu também não falei, somente me arrebatou , tirou de mim o que mataria tua sede momentânea, misturou nossas carências nos vapores exalados de nossa excitação, brincou , chorou e sorriu, não houve sentimentos profundos, navegamos na superficialidade e aproveitamos a ausência de expectativas, saciamos simplesmente a vontade de nossos corpos que nossos olhares a muito tempo quando se cruzavam insistiam em denunciar.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Divagações




Há uma coisa que me atrai, ou muitas, mas principalmente a questão da presunção da inocência, a questão de como nós cidadãos consumimos as noticias e muitas outras..., minha formação e aprendizado empírico acumulado nestes tempos de transformações constantes e sendo eu da geração Baby Boomer ou seja nascidos depois da segunda guerra mundial até 1964 e que acompanharam todas as transformações tecnológicas e midiáticas, sociológicas etc.., me colocam em uma posição de estratégica para perceber e entender as mudanças. Bem digo sem divagações que hoje o modelo de liderança clássica e sua escola, fazem vitimas , vejamos os casos do Bill Clinton e Monica Lewinsky, e mais recentemente o do o diretor-presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn,( no caso dele já foi condenado antecipadamente), são lideranças que não perceberam a mudança dos tempos, e se encastelaram em seus poderosos cargos achando que estavam imunes. Sorria você esta sendo filmado, hoje todos nós mortais estamos com nossos passos e intimidades devassados pelas tecnologias, e isso incluem o mais humilde ser ao mais poderoso. Escrevo isto também porque até provem o contrário somos inocentes, mas a inversão do ônus da prova tornou-se sistemática e até parece normal, a imprensa como quarto poder não tem limites, os três poderes da republica me parecem tem limites dentro de sua esfera de atuação, não obstantes as distorções... Não estou aqui a criticar o "quarto poder", mas a pensar, consumimos aquilo que queremos ou o que nos empurram goela a baixo e que qualidade de cidadãos críticos estamos forjando com idéias pré- concedidas e uma realidade forjada e pronta para o consumo.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

CONSTRUÇÃO DO DESAMOR


Sinceramente hoje em dia as pessoas não sabem viver uma paixão, presas que estão na visão mecanicista do mundo e sua estrutura matemática, presas em pré- conceitos e fórmulas ficam atônitas perdidas quando defrontadas e desafiadas, e enredadas em leis artigos e alíneas, não percebem quando o amor traça caminhos que são na realidade uma tentativa de se fazer entender. O amor tem mil caminhos, pode ficar presos ao senso comum, pode acordar viver e dormir, dia após dia, navegar na zona de conformo trivial, mas também pode subverter a ordem das coisas, pode roubar a flecha do cupido e fazê-la um instrumento de guerra. Digo guerra, no sentido revolucionário de realmente mudar conceitos e criar realidades, porque uma vez verdadeiro, não se contenta com palavras, mas sim condutas. Mas tem um, porém: as particularidades de cada um... O modo de ver o mundo e as coisas que o rodeiam, a percepção que tem do objeto amado.
Mas quando as concepções e pré-conceitos arraigados se sobrepõem é difícil entender mesmo, quanta má vontade poderia ser poupada, e quanto orgulho poderia ser varrido se ao menos desse a chance de entender que o amor é um sentimento que poetas, filósofos e catedráticos tentam explicar a séculos e até hoje ele resurge de mil formas, transportado pelas personalidades que compõe sua gênese. Poderia agora falar de diversas configurações de amor, já vivi várias, paixões misturadas, paixões repentinas, paixões cegas, violentas e românticas, todas com suas histórias, pensei já haver vivido todas... Mas a que por último vivi, e digo não sei se ainda vivo, é uma paixão de confronto intermitente, de buscas de coisas ocultas e descobertas desconfortantes, é quase uma guerra, mas o que pode alimentar ainda o sentimento? Algo que não podemos explicar apesar de tudo desmoronar ao nosso redor existe alguma coisa que não quer morrer apesar de insistirmos em matá-la.

ONLY YOU


ONLY YOU
CAN MAKE ALL THIS WORLD SEEM RIGHT
ONLY YOU
CAN MAKE THE DARKNESS BRIGHT
ONLY YOU
AND YOU ALONE CAN THRILL ME LIKE YOU DO
AND FILL MY HEART WITH LOVE FOR ONLY YOU
ONLY YOU
CAN MAKE ALL THIS CHANGE IN ME
FOR IT'S TRUE
YOU ARE MY DESTINY
WHEN YOU HOLD MY HAND
I UNDERSTAND THE MAGIC THAT YOU DO
YOU'RE MY DREAM COME TRUE
MY ONE AND ONLY YOU

terça-feira, 24 de maio de 2011

Brasil

Talvez, a genêse da formação do imaginário brasileiro não explique nada, as teses antropológicas e sociológicas, oriundas da acadêmia sejam amontoados de lixo intelectual oriundos de cabeças pensantes que se alimentam do pré conceito de acharem que as massas são imputáves de culpa, pela simples razão de serem manipuladas pela pseudo modernidade do ter e consumir. A genêse da idiotia que hoje domina o imaginário popular, e que anestesia a vontade de mudanças se replica na própria imolbilidade mental do povo, que alegre e "inocentemente" alimenta sua sede mental com pão e circo, enquanto espertalhões roubam e saqueiam o herário publico, respaldados pela imbecilidade democrática de um estado de direito para poucos e que de tempos em tempos são respadados pelo voto inconsciente da massa ignara. Pseudos intelectuas ditam regras para emburrecer ainda mais as massas e encherem as burras com ouro de tolo , leis redundantes são criadas, asssitencialismos de estado garantem o status quo de subalternidade do povo, enquanto estes aplaudem e comem as migalhas deixadas pelo caminho. Mas se todo povo tem os governos que merecem, aonde estão os que se levantam contra isto? aonde estão os revolucionários , estudantes e operários que poderiam através da inteligência forjar a mudança? Estes estão embriagados pela modernidade, pelas formas e pelos sons que eles próprios produzem, assim como narcisos modernos se imobilizam pela propia imagem de perpectiva de serem "alguem", dana-se a ética a moral eu chegarei lá e serei reconhecido....
Talvez o espirito revolucionário tenha morrido no povo brasileiro mesmo e somente a fome de ter , possuir e aparentar sejam a mola propulsora da vontade de não parecer igual. Mas somos todos iguais em indiguinidade enquanto permitirmos que nos roubem e achincalhem todos os dias e simplesmente no final colocamos a cabeça no travesseiro , fecharmos os olhos e damos a chanche para que tudo se repita no próximo dia.

Reflexão


Tenho para mim que por mais que busquemos o equilibrio e o auto conhecimento, são as circunstâncias que nos colocam frente a frente com nossas discrepâncias e idissioncracias, quando acredito que domino todo meus sentimentos, vejo ai que eles na verdade estavam represados e não domados,mas adormecidos, me surpreendo comigo mesmo , com a desconstrução da minha imagem e tudo aquilo que busco como ideal. Como racionalizar um descontrole, como explicar algo que não tem explicação, prefiro o silêncio no momento, como abrir mão de um ideal que pareceia se configurar e escolher o vázio? Por mais que busque explicação prefiro a reflexão e buscar voltar ao caminho e procurar não cometer os mesmos erros. Aqueles que com minha insensibilidade eu magoei e não esperavam isto de mim, acho sim que mereço o esquecimento por não ter domado este xucrismo que existe dentro de mim.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

RECUERDOS


Nunca mais li teu horóscopo.. as fotografias? essas foram para lixeira virtual e foram perdidas entre bits desconfigurados, criptografados nesta confusão de sentimentos... Restos de comida sobre a mesa continuam lá a espera que as janelas se abram com a ventania e limpem o que restou. Sua voz está latente perdida no labirinto de neurônios em pleno curto-circuito, sua mão que outrora segurou a minha úmida de suor, não passa de uma história de um passado recente com final ainda imprevisto. seu olhar e o meu num imenso vazio em que a ausência já não é mais saudade mais sim um novo recomeço, vagam como olhares cegos em busca de uma explicação que só virá quando decermos de nosso orgulho e rastejarmos na nossa humildade e percebermos que nós dois erramos.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Avanço e Humanismo


Na dinâmica da vida social o estado tem como função ao meu vêr ser um facilitador para que os individuos se realizem como cidadãos em seus projetos de vida, profissional, social e familiar . O Brasil deu um passo importânte nesta questão, o supremo tribunal federal no reconhecimento das relações homoafetivas como sendo uma nova configuração de relacionamento, gerando com isso direitos e deveres de ambas as partes , indo de encontro a constitução federal no que tange a liberdade, direito à não discriminação, igualdade, dignidade. O afeto, amor, carinho entre seres humanos de sexo oposto ou mesmo sexo deverá ser protegido e neste caminho o Brasil saiu da omissão criando a figura legítima da união homoafetiva, todos temos direitos inclusive de não aceitar mas é necessário respeitar a escolha alheia, parábens Brasil.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Tenho a dizer

A noite molha de orvalho os seus cabelos pretos, as lagrimas molham meu rosto..
Ao som de mil tambores vagueia sorridente..
As lembranças foram para o ralo, prazeres momentaneos matam a sede.
Mergulhado no silêncio da noite fria, que se contrapõe ao som das horas que o relógio dicifra, alguns carros passam na rua deserta, levando consigo folhas mortas que caem carregadas de sereno.
Entre as paredes do quarto vejo sua ausência a sorrir nas luzes coloridas que seduzem tua juventude.
O sono distante já não é companheiro dessa madrugada, somente lembranças das tuas palavras vazias, que agora percebo não tinham raizes e foram levadas pela brisa ...
Busquei no teu corpo algo que não havia e nesta busca encontrei eu mesmo, perdido nos meus desejos, que após o orgasmo se extinguiam.
Buscaste consolo do não amor, nos braços envolventes da ilusão.
Deixastes o porto seguro do desejo de um naufrago a procura de uma ilha...
Imprimes a cada momento tua marca racional para evitar o apego e sem rodeios se desvencilia do amor.
Essa sede que agora tem, e que sacias em lagos salgados, será a sede que nunca passará enquanto não te deres conta que rios turbulentos, movem moinhos que trituram sentimentos, até que deles se retirem o melhor para consolidar um verdadeiro amor.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Decreto do fim.

Uma luz acende no quarto, não te lembras de ontem e não recordarás do amanhã, assim que as portas se fecharem e a ilusão te cravar as garras e sugar tua seiva, perderás o que tem de mais sublime hoje, que é a lembrança que guardo de ti. Podia ser mentira tudo o que me falavas, mas alimentava uma utopia de que um dia encontraria a paz que um homem busca nos braços da mulher amada.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Quando a lógica das paixões subverte a razão

Parto do principio que a razão está no comando da situação e que palavras ditas sob o império da paixão, são arredias, escorregam nos acontecimentos e mudam o sentido a medida que o tempo avança... Nos corredores extreitos das ilusões que alimentam a paixão, às vezes saimos arranhados, machucados, não porque não sabemos o que nos espera, mas sim porque não dimensionamos o caminho e nos expandimos embriagados pela ilusão que no fim existirá um porto seguro que pode não se consolidar. Então como nau a deriva, com marujos embriados não nos damos conta que o tempo e a distância não são aliados, mas inimigos que gargalham da nossa vontade de estarmos juntos.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

ENCERRAMENTO

Caros gatos pingados leitores deste despretencioso blog, apartir desta data, este espaço não será mais utilizado para expressar sentimentos e opniões , visto que muitas palvras dizem pouco, e poucas podem dizer tudo, ficarei com a opção de nenhuma palavra. Para magoar uma frase basta,ja dizia o poeta.Mas estara aberto a divulgação de idéias, econteudos de nível tecnico.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Madrugada eu e tu.

Quando me desloco pelas ruas,nas madrugadas frias e escuto o murmurar dos ventos que passam sem destino,ao contrário de mim que busco encontrar teu olhar na escuridão da noite, perdido entre muitos olhares sedentos de oportunidade de chamar sua atenção. Entre ruídos e murmúrios, risos e tilintar de copos, sinto tua presença a mirar meus movimentos, já não tenho duvidas que nossos destinos se cruzaram, mas ainda não sei quem tu é, talvez isto não importe pois neste turbilhão de sentimentos aleatórios e corpos volupiosos a interromper nossa visão, seja o termômetro da superficialidade ou profundidade dos sentimentos que hora nutrimos alimentados pela lembrança dos nossos corpos desnudos na meia luz. Quando me desloco na madrugada sinto teu perfume,leve e suave, levado pelo vento para algum lugar que não conheço.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Quando o mar invade

Quando o mar invade ,quando o vento derruba, e o raio cai, nada disso me abala, quando teu olhar não encontra o meu, quando tuas palavras ferem, e a distância aumenta, revoluções acontecem em meu ser, perco o rumo, o norte some o chão desaparece dos meus pés. Flutuo então como átomo a deriva dos teus sentimentos e sou atraído pelo oásis do teu beijo novamente. Estranho imã que me atrai: teu olhar, longa estrada que minhas mãos percorrem: teu corpo, se depender das energias que se formam quando juntos, ofegantes e suados declaramos em dueto: te amo, a distância se encurtará os dias encolheram e seremos um só em pensamento e sintonia.

O QUE O ESPELHO REFLETE.

Ainda de madrugada, na insônia e na turbulência dos pensamentos, cruzo em frente ao espelho, reflexos das estrelas que criei em meu louco devaneio, se desfazem aos poucos na realidade nua e crua de um relâmpago de emoções represadas. Mesmo assim ainda busco nas estrelas encontrar a realidade, velho vício de olhar o céu e esperar vêr seus olhos. Ainda falo palavras de impacto,mas já não acredito mais nelas,as vezes grito e repito mas as palavras são levadas na correnteza do orgasmo e tão logo ele passe elas evaporam junto com nosso suor. Não espero muita coisa, apenas que o tempo passe e carregue com ele a luz do teu olhar.

sexta-feira, 25 de março de 2011

"Porto Alegre é demais......."

Existiria muitas coisas que poderia falar de ti, sobre noites que se arrastam sob luzes difusas, sobre o sol que envolve estes teus dias, também poderia simplesmente ficar em silêncio a te contemplar, tudo na mais profunda reverência. Este amor que com o tempo se solidifica e nos faz grandes companheiros, você sem mim seria como és, eu sem você, seria completamente diferente, estranha relação, tu amparando meus sonhos e perpectivas, eu a caminhar sobre sua história. Ainda não te conheço totalmente, apesar do tempo, e nunca chegarei a te conhecer por inteiro, você nem quer me conhecer, só quer que eu repire e te de vida, esta vida que se alimenta de milhares de amores, uns indiferentes outros apaixonados, neste dia tão especial, eu ainda mesmo sem de compreender por inteiro mas feliz por fazer parte da tua existência, desejo a ti um feliz e eterno aniversário,minha querida Porto Alegre.

segunda-feira, 21 de março de 2011

A paisagem dos teus olhos. (esta postagem não tem destinátario)


A viabilidade, do sentimento amor esta diretamente ligada a possibilidade de não me sentir cercado, quando exercito sentimentos nas palavras, busco não cooptar admiradores, mas sim aglutinar ideais de vida, baseado na sensibilidade sem apego ou pieguices, todos somos viajantes nesta jornada existencial, buscando colocar em prática aquilo que ao longo dos séculos temos aprendido nas inúmeras personalidades assumidas. Se eu chegar a dizer que amo, é porque a sensibilidade do alvo do meu amor ainda não esta afinada e sintonizada, talvez isto seja hoje em dia até normal, a sensibilidade reduzida pelas luzes da superficialidade do existir, talvez corpos torneados e vaidosos seduzam mais que palavras digitadas e refletida na tela de seus olhos cuja a paisagem ainda não consegui identificar.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Pra ti Guria

Noite, estrelas ausentes, nuvens vagando sob o luar, uma procura... , talvez a noite passe rápido para mim, ou enredado no meu lençol, dê mil voltas a imitar o redemoinho dos meus pensamentos, fazia tempo que não sentia o que agora sinto, me dou ao luxo de não acumular experiências, para que cada dia seja único, cada descoberta seja a primeira.

O mais grave e que os acordes do meu violão, estão a espera de uma canção, que talvez, não sei ... tu cante, e quem sabe talvez seja a cançao que estava faltando no meu coração.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Somente uma madrugada

Madrugada, vagueio entre as sombras das paredes, luzes artificias a descrobrir caminhos, e você no meu pensamento a guiar meus passos, sublime pensamento das tardes em que eramos um, entre paredes destilavamos suor, falavamos de flores, de estrelas e silêncio, olhares na escuridão do quarto, viamos o que imaginavamos sermos o melhor de nós, quanta ilusão destes corpos apaixonados, que o tempo,sempre o tempo há de mergulhar no mais profundo esquecimento.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Navegar nos pensamentos

Uma lembrança, um pensamento solto no ar, alguma idéia talvez... chimarrão na beira do rio, olhares e beijos talvez. Na rua apenas o sol a queimar o asfalto, o suor escorrrendo no canto da orelha e o vento que entra na janela do carro. Talvez o toque de sua mão em meu corpo seja a gota d'água que faltava e nunca mais.
Porto Alegre me traz alegrias, de momentos que gostaria de viver, mas a superficialidades dos sentimentos e a fast time desmancham qualquer sentimentos, como as nuvens que se formam e se vão ao sabor dos ventos.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

TRANFORMAÇÕES

Às vezes quando tudo parece se encaminhar para um destino planejado, sem muitas turbulências, quando visualizamos um futuro construído em nossa perspectiva mental e ele parece certo, é ai que nos vêm a surpresa; tudo são possibilidades de situações que podem ou não acontecer. Sabemos que a impermanência é a regra desta vida, amores, lugares, trabalhos, pessoas, tem vida própria vão e vêm ao sabor dos tempos, e a única coisa certa realmente é que tudo muda o tempo todo. Devemos estar preparados para as mudanças, mas como por natureza somos sedentários nos sentimentos, querendo congelar no tempo paixões e amores, para que durem ad.eternum, nem sempre percebendo que o bom da vida são as transformações que se processam ao longo da caminhada terrena, e que nos dão a tão almejada experiência. Talvez nos faça bem a utopia, de um paraíso em que tudo permaneça igual para a eternidade, mas nem nos damos conta que a eternidade é a negação do tempo, sendo o tempo o parâmetro para medirmos nossa existência, viveríamos uma não existência, improdutiva, sem as maravilhas circunstânciais do existir. Rogamos ao grande arquiteto do universo (G.A.U.), que nos dê muitas oportunidades de estar aqui neste planeta e que aprendamos a importância do tempo e as mudanças que ele comporta.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Pampa , tempo e olhares

Volta pras casa da lida, é o cotidiano urbano, consolidado na memória campeira,
ancestral, lembranças de tempos campeiros....
Nós temos lembranças de tempos que vivenciamos em outros tempos que nós não explicamos.
A varzea, o tordilho , uma carga de combate, um olhar distante, um pampa na lembrança.
Quantas vezes terei que dizer te amo, entre olhares e silêncio, até tu notares que é isso que eu quero dizer nos nossos olhares pampeanos.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

PAIXÃO

Estou apaixonado.... percebi hoje, aquela imagem que insiste em estar presente, não sei se é instinto ou razão. Razão na paixão? Só sei que ela não sabe, ou faz que não vê, e logo eu que pensava estar imune. Talvez tenha deixado que o sentimento me dominasse, por saber que é utopia. Platônico será ate o momento que eu deixar de ser distante e me tornar presente; mas gosto deste exercício de olhares e toques sutis, sem se revelar, acumulando energias para quem sabe... ou nunca.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

QUARENTA E SEIS

Estou eu aqui, hoje vinte e um de outubro, de dois mil e nove, passados quarenta e seis anos, parece que o tempo, nesta ínfima contagem passou tão rápido, e foi tão generoso comigo, quando me olho no espelho vejo a soma de minhas experiências, e foram muitas... Mas vejo refletido uma imagem tão cheia de energia (modéstia parte), que anseio que o tempo experencie mais uns cinqüenta anos sobre esta humilde forma, não significa apego a existência , mais sim vontade de ser util, de significar motivos de exemplos, não somente exemplos "dignificantes", mas exemplos de um existir humano, repletos de falhas, passos tutibeantes, medos, frustrações, mas que reporte a um ser que busca sair desta existência melhor do que chegou, tentando transpor limitações, ou remover muralhas que o próprio ego constrói ao longo desta tão efêmera existência, assim eu mesmo me parebenizo e a todos aqueles que participam da minha história.